segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Uma Orquídea, uma ilusão...


Fixado pelo teu petrificante olhar,
não posso ver, não me posso mover,
não posso gritar, não me posso libertar,
Lamentos e gemidos se soltam nas lágrimas que me caem,
Pergunto-me como hei-de meu amor reaver...
Sob a brilhante Lua,
e das poucas estrelas que a esta sobressaem,
Oiço vozes vindas do escuro da rua.
Almas sufocadas, almas exiladas...
Passo antepasso, aproximam-se as odiadas,
Olho, com medo, para esse nunca esperado pesadelo,
Mas, lá no alto.. Pela Morte esquecida,
Uma enorme beleza para uma pequena orquídea.
Levanto-me, desesperado e enfraquecido,
E caminho para a esperança e para a fraca luz que nela incidia,
Caminho para o sonho, pelos ventos inatingido...
Protegida por mãos que me violentamente agarram
e aos poucos meu espírito arrancam.
Cada vez mais sofro por essa flor,
Tudo para ter de novo, teu amado sabor.
Farto da maldita carnificina existente,
Agarro a tão esperada vida,
Tão só, tão inocente,
Tão virgem, tão querida...
Orquídea, orquídea,
Que me fizeste?
Invadiste-me e por dentro me partiste,
Choros e gritos tu me trouxeste
e da perfeita ilusão tu saíste...
Abatido e traído,
Só e por ti abolido,
Fraco e por ti banido,
Chorei por um amor que nunca vi,
e por uma orquídea a ti destinada,
Triste, morri...

5 comentários:

Anónimo disse...

Eu sabia q eras um artista..so nao sabia a tua vocação..mas olha so o q se descobre na internet hoje em dia xD força poeta xD [[]]


Leo xP

Anónimo disse...

Procura outras flores.. Talvez encontres a flor certa. :)


Tania

rsm755 disse...

Gandee cadela em cima de tii hehehe

Anónimo disse...

ouh :o
fiquei chocada.
és muito bom mesmo.
temos poeta :)
e não tou gozando e não refila!
beijinhos ***
Laura.

estrelinha disse...

Muito bonito este poema...