domingo, 12 de abril de 2009

Escuro...


Uma leve chuva limpa-me as lágrimas,
Um forte vento aprisiona-me,
como que por algemas
tivesse enclausurado,
A sombra colossal das nuvens
faz-me estremecer...
À medida que espero
pelo alvorecer,
Pensamentos antigos considero,
Estrelas quero acender,
mas o tacto é-me impossível,
A Lua quero acolher,
mas meu sonho é incompreensível...
Pela madrugada,
limpo a chuva da cara ignorada,
Liberto-me do vento
com um simples sopro nevoeirento,
A sombra colossal
foi se embora com um grito angelical...
Quando o Sol assusta a noite,
Fecho os olhos em descanso,
pois o dia é manso,
e pelo anoitecer
tenho de esperar,
que chegará
para de novo me assombrar...

1 comentário:

Anónimo disse...

esta aprovado sim senhor ;)

isa*