segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

Dorido


És o meu tudo, o meu nada,
Que sobe lentamente
Esta minha confusa escada
Ateando um fogo actualmente ausente
Queima, arde, aquece
Este meu coração impaciente,
És o meu dia que nunca escurece,
A minha noite que nunca amanhece,
Que acalma a minha alma, nunca adormecida
Que levanta a minha asa partida e caída,
És o meu sentimento, minha razão,
Rezo para que isto não seja uma maldita ilusão,
Esta vida, esta realidade,
Este sonho, esta raridade,
Por mim descoberta,
Por mim sentida,
A saudade que ao corpo já aperta,
E à mente que fá-la pensar dorida…

Dark Passenger


This floor beneath me
Trembles and screams,
Closing my eyes so I can’t see
The existing light beams,
The holy light that should purify my sight
And darkness forever fight
Until the day that it dies.
I keep searching for its cries
But they seem to get further and further away,
Longing for that oh so sweet day
That I’ll finally find them,
But this dark passenger…
This dark passenger
It’s nothing but a chaos messenger
Who grows heavier and heavier!

Why me?
Why my body?
Why my soul?
Why does he haunt my core?

I think and I think
But my mind is getting sore,
I feel like I’m about to sink
In this sea of oblivion!

I have a need to kill
And I have to kill this need
Or else this destruction’s seed
Will possess me…

I need vengeance!
I need revenge!
This pure soul I need to sin!
This hard fight I need to win!
Oh… What should I do?
I really, really need you…

quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

My love knife...


I can hear his heart
Beating and beating,
This drumming sound
Tears me apart
And makes me feel like a true, blood-seeking hound,
A madman who can’t be put to sleep,
A freak, a creep…
But these chains that keep me bound
Only make it harder and harder
Because it’s beating faster and faster,
I want to be at peace, breathe relief
And since I never liked to grief…
I’d rather do it now
Than wait!
Death, to me, shall bow
Life is a thing I won’t allow,
As I draw my blade that will choose his fate,
But I can’t think straight,
This anxiety is beginning to grow
And I can’t let it overflow…
He doesn’t know I’m here.
Silent. Sly.
I just imagine his expression of fear!
One last breath
And he will die…
He did it! His life has come to an end!
And the first soundless sweep
Draws the ruby blood,
Cut after cut,
Slash after slash,
His evil mouth is now shut,
All happened in a flash.
My knife, that once cried for blood,
That once shouted for gore,
That once screamed for screeches ,
Has broken what she swore once before…
Yet again, to an immature life, we say goodbye,
That makes me feel like someone from up above
And that’s why
You killed me with a knife I call love…

quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

My somebody is nobody...


They laugh at me
When I say that I have nobody
And that nobody is my key,
A relationship I’m not sorry,
But why can’t they see
That my somebody is, indeed, nobody…
They say that nobody is perfect
And how can I neglect
Such truth
But they say it’s an impossible youth…
They say that nobody loves me
And I, who’s freed from this dark sea,
Passionately agree,
But still they joke around,
Even more when I say
That your voice is a gem I found,
Your eyes are the light in my gray day,
Your soft lips are what keep me bound
To this body, this somebody’s body,
Just to touch nobody…
They say I’m a fool, a clown
To dream such a dull dream,
That in my imagination I’m drowned,
That my thoughts are as scary as banshee’s scream,
So pitiful, so insane,
Even telling that nobody’s name
Is just a space, an infinite void
A reality in which dreams were destroyed..
Oh what a shame,
So lame, such a child’s game…
And in the end
All the things they said burn in nobody’s love flame
Still they don’t know that I have nobody,
Nobody loves me,
Nobody helps me through
Nobody to see reality as I see,
Nobody can be my nobody but you.

terça-feira, 14 de Setembro de 2010

Perfeita Perfeição


A perfeição vagueia entre nós há anos,
E como sempre a nossa curta visão
Sobre o mundo só nos faz aperceber dos danos
Após o caos e a destruição,
Consumindo cada alma, cada amizade, cada amor,
Sem nunca cessar.
Sonho em finalmente acabar com este ardor
Fechar os olhos e abri-los para um mundo de adorar,
Uma realidade que com todos iria partilhar,
Uma visão perfeita, uma visão tua…
Enfim o pesadelo continua,
Desejo agora acordar desta tão malvada existência
Partir para outra onde se consiga ver a cheia Lua
E não um buraco no meio do escuro como quem não tem consciência.
Perfeita perfeição,
Vem até mim, espero-te na minha realidade,
Uma entre mil, tu saberás qual,
Uma vez que te guiarás através deste labirinto de escuridão,
Com a tua suave, no entanto incomparável, intensidade
Desse teu cabelo auroral,
Com cada fino fio que ao vento murmura
Que cada amor entrelaçou,
Conduzindo-os à tão apaixonada loucura,
Cada muro que penetrou, cada sentimento que mudou
Perfeita perfeição…
Outrora lendas e mitos foram contados,
Mas apenas uma verdade fora dita,
Uma que ninguém aceita,
Esta foi que até a mais perfeita perfeição se tornará imperfeita…

quarta-feira, 21 de Julho de 2010

I will rise when you fall...


The sun rises red
As I walk by the sound of my voice,
Reminding myself that the tears she shed
Were all for me to do the wrong choice…
The sun sets weak
As the floor beneath my feet begins to fall,
Hoping my soul would give a shriek
But I am thrall…
The moon rises pure
As I open my relieved eyes,
For now I am sure
What’s her disguise,
Knowing that she won’t trick me once again
Enough of this pain,
I am now aware
Release me from this soul chain ,
Release me from this despair,
As I shall rise bright and red,
Like my past sun,
My freedom as just begun
All our memories I will shred,
As I shall never fall livid and weak
Like my past sun,
Never leaving a fight undone
For a new love I will seek,
As I shall be unique and pure
Like my past moon,
Her nightmare won’t be done so soon
For now I have found my cure…
And I finally got through this never ending scream,
Pretending it was all a bad dream.

sexta-feira, 9 de Julho de 2010

White Moon


Lying on your bed,
Cleaned a tear you shed
As the Moon watched us from above
But she just doesn’t understand our love,
Since it’s a book in a language only we can read
Which we calmly turn the pages
Both wishing it’d last for ages,
Yet her jealousy made me bleed,
Made me scream,
Made me cry,
Thinking it was all a bad dream
A nightmare I’d soon wake up next to you
Still the end never draws nigh
Her gaze cut me through,
It’s too dense to heal,
Afraid of the pain I’d soon feel,
I’m too slow to run away,
She gets closer,
My world is getting gray,
She gets closer,
My soul is her prey,
She gets closer,
My senses are starting to decay,
But I can still hear her heart beat
Going faster and faster,
Can’t feel your heat,
The drumming sound grows bigger
And a holy beauty is staring me with snowy eyes,
But it’s too late to say my goodbyes ,
She had already pulled the trigger…

domingo, 4 de Julho de 2010

Can't hold it...


Drop after drop,
Slowly poisoned, hoping this breath will be my last,
Still my heart won’t stop
Still the screech won’t break the glass
Still I remember you,
With my lips’ desire
To bring a new fire
With my eyes’ need
To find you within the reed
With my hands calling for
Your graceful face
However my lips are sore,
Torn apart and with no sense of taste
My eyes are a disgrace,
Burned up and with its color erased
My hands are bound to a black void,
Halted and frozen waiting to be destroyed…
Finally, as my vision becomes blurry,
My bosom is getting quiet,
Don’t worry
The beating noise gets distanced,
I’m no longer in a riot,
I’m no longer in a fight,
I’m no longer in fright,
I’m out of air,
As my final breath whispered what I never said before
I love you… But looks like I can’t handle it anymore"

quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

Realidade de um Pesadelo...


Caminho ao longo deste extenso pavimento,
Só e são,
Preso nesta miserável ilusão,
Cerrado nestes muros que me fitam
e que, loucamente, me guiam para o nosso aluimento...
A nossa perdição...
Aos poucos, este meu chão,
meu único suporte, se desfaz,
Rodeiam-me as paredes que por sangue já choraram,
Estou imóvel, prisioneiro, incapaz,
Choro por aqueles que de mim já careceram,
pois até a voz me arrancaram,
do meu corpo já alquebrado...
O brilho, como que se tinta fosse, é-me exambrado,
Consigo a minha cor arrastando
e minha essência, desumanamente, agonizando...
Pranteio para que das lágrimas saia o ruído,
Um ruído...
O som que tanto me faz afligir,
o sopro que da vida me consegue abstrair...
Levanto o rosto, elanguescido,
já incolor,
com traços desenhados pelas lágrimas, já sujas da cor perdida,
conduzidos até ao meu tronco, já corroído,
Lamento...
Pranto por não te ter chamado,
Suspiro por não te afagado,
Lastimo não te ter osculado,
Sonho para que tudo isto um pesadelo tenha sido...
Calmamente, do meu olho, a pálpebra desvendo,
Com lágrimas nas faces já coloridas,
Despertei daquele pesadelo, amolecido,
Com um mimo teu,
E com o teu coração, já em mim, esculpido...

domingo, 6 de Dezembro de 2009

Hide and Love...


When I first looked into your eyes I knew I loved you,
and I'm hoping that you love me too,
and just maybe,
You will go out with me,
because I want you to be mine,
I want you around all the time,
I'm hoping that fate, will make you my soulmate,
and if it does that will be great,
even if it takes long, at least I will have love late,
My love for you is like a river,
every time we touch my soul starts to shiver,
one look at you is more precious than gold,
lets be together and let our story unfold,
You are always on my mind,
You are unique and one of a kind,
I want us to be together,
and not just for a little bit I mean forever,
I always dream about you and me,
walking together along the sea,
your eyes are as brown,
as the night falling down,
You make me flow like a calm ocean,
You're beautiful and you have a sweet emotion,
honestly I don't know what else to say,
except that I'm going to keep loving you everyday,
even if we just stay friends I will be happy,
because you will still be with me,
Just remember,
that I am not a pretender,
all that I write about you,
is always true,
I hope you liked the poem,
because these are feelings that I haven't shown...

domingo, 22 de Novembro de 2009

I won't...


Up high in the sky,
Staring into your crystal eyes
Hypnotizing me and making you fly,
Tearing apart my cruel disguise,
Waking me up for a new life
Realizing that I want to hold you high,
scream your name
and ignite my long dead love flame.
I want to steal your breath away,
kiss you everyday,
Hold you tight
and be your dream
or just your one second thought gleam
just for tonight.
Wondering in my mind,
I'm waiting for our stories to unwind,
Anxious and stargazing
a tear was slowly molded
Love's got me quickly and unfolded,
Now, now... That's just amazing!
I know that "I love you"
isn't something you just throw
It's something that needs to grow
You need to be sure it's true,
or else it'll just get through,
then getting lost and never being found again...
Watching the rain,
I feel it... Slowly increasing...
It needs to come out... A force I've never seen before,
It's different... It's unceasing...
You're the one I adore,
You're the one I'd die for,
You're the one I won't lose anymore...

segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Uma Orquídea, uma ilusão...


Fixado pelo teu petrificante olhar,
não posso ver, não me posso mover,
não posso gritar, não me posso libertar,
Lamentos e gemidos se soltam nas lágrimas que me caem,
Pergunto-me como hei-de meu amor reaver...
Sob a brilhante Lua,
e das poucas estrelas que a esta sobressaem,
Oiço vozes vindas do escuro da rua.
Almas sufocadas, almas exiladas...
Passo antepasso, aproximam-se as odiadas,
Olho, com medo, para esse nunca esperado pesadelo,
Mas, lá no alto.. Pela Morte esquecida,
Uma enorme beleza para uma pequena orquídea.
Levanto-me, desesperado e enfraquecido,
E caminho para a esperança e para a fraca luz que nela incidia,
Caminho para o sonho, pelos ventos inatingido...
Protegida por mãos que me violentamente agarram
e aos poucos meu espírito arrancam.
Cada vez mais sofro por essa flor,
Tudo para ter de novo, teu amado sabor.
Farto da maldita carnificina existente,
Agarro a tão esperada vida,
Tão só, tão inocente,
Tão virgem, tão querida...
Orquídea, orquídea,
Que me fizeste?
Invadiste-me e por dentro me partiste,
Choros e gritos tu me trouxeste
e da perfeita ilusão tu saíste...
Abatido e traído,
Só e por ti abolido,
Fraco e por ti banido,
Chorei por um amor que nunca vi,
e por uma orquídea a ti destinada,
Triste, morri...

segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

Marioneta que fugiste..


Da solidão era eu consumido,
por fios de ódio era controlado,
meu movimento era negado
e até o meu falar emudecido...
Olhos negros e vastos
que para o vazio olhavam,
lábios acizentados, secos e gastos,
do gelo que apanhavam...
Sonhei e sonhei,
daqueles fios me soltar...
Esperei e esperei,
até que te vi chegar...
Nunca tinha visto beleza como a tua,
queria um simples "Olá" dizer,
mas os sons não sabia compreender...
Ansiava pelo teu regresso quando te ouvia na rua,
quando a noite caía
e o escuro me iludia...
Ventos que passavam e euforicamente dançavam,
por mim eram invejados,
pois a chamarem-te iam abraçados,
trocas de amor que me gozavam...
Linhas de depressão
envolviam-me cada vez mais num casulo profundo,
com a minha única gota de paixão
oferecida ao mais belo anjo no mundo,
estou perdido... Estou preso na teia...
Luto pela liberdade
e pelo amor que me escasseia
e finalmente nos olhos ganho cor,
os fios arrancados e movimento-me por amor,
Falar já não me é sufocador...
Meus lábios foram pintados,
pelas tintas foram molhados,
e agora só precisam de um teor,
Um beijo... Teu sabor...
Marioneta, em que pensas?
Marioneta, como amas?
Marioneta, como te chamas?
Marioneta.. Que mágoas tão densas...
Por muito passaste... Por muito pranteaste...
Agora, perde-te com aquela que sonhaste,
com aquela que chamaste...
Com aquela que te apaixonaste...

terça-feira, 4 de Agosto de 2009

Sinto-me... Envenenado...


Sinto-me esquisito, sinto-me diferente,
por cada lágrima que caiu,
por cada pensamento que me confundiu,
à espera que a dor se ausente...
Sinto-me triste, sinto-me dorido,
por cada momento difícil passado,
por cada passo que desejei nunca ter dado,
à espera de ser acudido...
Sinto-me só, sinto-me amaldiçoado,
por cada dia que anoiteceu,
por cada olhar que meu coração adormeceu,
à espera de ser novamente libertado...
Sinto-me vigiado, sinto-me guardado,
por esta noite que finalmente amanheceu,
por este amor que finalmente me prendeu,
vagueando com um beijo na mão abandonado,
à espera de se escapar,
e rapidamente se espalhar,
pelo meu corpo abalado...
Por cada veneno que superei,
Este vai-me por para sempre a sonhar ,
Lentamente por esse descanso esperarei,
Até à cura.. Nos meus lábios vieres dar...

sábado, 4 de Julho de 2009

Meu Sonho... Teu Amar...


Sonhos que ao escuro vagueiam
tranquilamente adormecem,
à luz das estrelas que alvorecem
com sopros que suavemente os manuseiam,
As suas cores me envolvem
num alto e pintado brilhar,
Com um só tocar
meus pensamentos absorvem...
Caindo flocos do seu interior,
doces, macios e delicados,
como os teus lábios, por outros invejados,
fazendo-me sentir, à beleza inferior...
O calmo amanhecer
faz estes sonhos desvanecer,
esperando lentamente o anoitecer
escondidos e procurados para nunca o amor esquecer,
Sonhos que me arrastam
Por campos jamais vistos,
Recordações eles afogentam,
Ó que sonhos imprevistos...
Meu sonho, meu amor,
Nos teus lábios sensíveis deixa-me tocar,
Teu cheiro, teu sabor,
Nos teus sonhos deixa-me contigo estar...
Meu beijo, teu encantar,
Nos teus passos vou devanear...
Teu sonho, meu amor,
Nos teus olhos vou contemplar,
memórias recordar
e até ao fim, amar...

quinta-feira, 18 de Junho de 2009

Aquilo não dito...


De incomum ser
me denominaram,
aqueles que a música negaram,
pois o tempo trouxe consigo o envelhecer...
Ao magnífico som da harpa,
Glamorosas notas borboleteiam,
Num oceano harmonioso, a caravela zarpa,
A cada onda, umas páginas se folheiam...
Longas frases que se encontram
Com as notas, formandos finas teias,
Afagando-te enquanto passeias...
Chorando lágrimas de cristal,
reflectindo cada passo teu,
Reflexo esse que me envolveu,
Tornando gotas numa poça irreal,
Quebrando-se, um espelho se formou,
Seu pequeno som pelo mundo ecoou,
Debaixo da estrela celestial,
como uma seta voou
Aquele ruído universal...
Calmamente ouço melodias,
Penso em ti por cada linha de teia,
Com notas e frases que amor semeia,
Saudades daqueles dias em que sorrias...
Memórias, oh memórias..
Dores que não desaparecem,
Tão doces... Tão ilusórias...
Momentos que me enlouquecem...
Ao menos se tivesse dito
aquilo que realmente importava
De mau... Já nada me lembrava...
É pena pois isso já tenho escrito...

terça-feira, 16 de Junho de 2009

Denso noveiro...


Denso nevoeiro,
que me cegas o olhar,
que tiras-me o luar
e cercas-me por inteiro...
Radiante lua,
que o teu lindo brilhar foi escondido,
choros ouço e lágrimas desvanecem, pois estás nua,
desde que teu longo e branco vestido te foi obstruído...
Ó escuro nevoeiro,
que só trazes tristeza,
felicidade... Que rareza!
Vai-te embora ó nevoeiro!
Quem te quer,
é só quem vidas ceifa...

Confusa aurora...


Confusa aurora,
que às curvas vagueia,
alimentando o olhar com a sua colorida ceia,
Quem te vê, quer contigo sonhar,
Quem contigo sonhou, quer te de novo ver,
Quem de ti fala, quer te beijar,
Quem te beijou, perdeu a noção do seu ser...
Confusa aurora
que com o teu alegre dançar,
fazes-me enlouquecer,
que com o teu fixo olhar,
fazes a minha alma libertar...
Confusa aurora,
que às curvas vagueia,
vagarosamente... Amando quem te queira...